quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

#1513



É uma questão de pele. Que arrepia. Que um simples toque faz estremecer. Que uma mão na mão, ou um braço no outro, faz queimar. Que enebria involuntariamente.
É uma questão de pele. Ou arrepia, ou não. É uma questão de química. E de misturar fluídos com sentimentos. De queimar. De querer. De precisar.
A minha pele e a tua. A minha pele na tua. A tua pele em mim:
É pele. É paixão. É entrega. É arrepio. É nós!

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

#1512



Vá! Acorda-me!
Faz com que o meu dia comece a ver o teu sorriso.
Que comece com a tua voz no meu ouvido.
Faz com que o meu dia comece com paixão. E sedução.
Vá! Acorda-nos!

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

#1511


 
Apetece-me roubar-te um beijo a meio da tarde. Raptar-te para um passeio apaixonado. Ver o pôr-do-sol contigo. Simples!
Quero roubar-te. A ti e a um beijo teu.
Em Paris deixas?
 
(uma ideia...)

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

#1510



E hoje só a preguiça. O mimo e tu. Hoje só o sofá, a manta e o teu colo. Hoje só o enroscar-me no teu abraço e olhar nos teus olhos.
Hoje, só deitar a cabeça, aninhar-me em ti e descansar. Hoje, só ficar sossegada a ouvir o frio lá fora, enquanto te conto os meus dias pela décima vez.
Hoje eras só tu. E eu. Nada e ninguém mais.
...
Hoje, quero colo. Vens?

domingo, 22 de fevereiro de 2015

#1509



E tu? Tu és tu. E há coisas que não se definem. Que por mais que tentemos descrever não existe forma de definir aquilo que representam. Aquilo que nos fazem sentir.
É que tu és tu. Não comparável a qualquer outro. Não traduzível por palavras. Não há forma de descrever o que é o momento de pausa entre dois beijos nossos. Não há forma de definir silêncios olhos nos olhos. Não há maneira de explicar abraços que se trazem no corpo. Apenas se sente e sabe que é ali o nosso sítio.
...Tu? Tu és tu. E amo-te por isso!

sábado, 21 de fevereiro de 2015

#1508



Amo-te pela manhã, quando desperto e sei que os bons dias já ali estão. Quando a primeira certeza que tenho é saber que estás sempre.
 Amo-te quando me perguntas se já comi. Se tenho frio.
Amo-te quando, a meio da pressa do dia, me relembras o quanto tu me amas. Que me precisas e que te apeteço.
Amo-te quando me inventas nomes parvos só para me irritar.
Amo-te quando um minuto chega para matar saudades da tua voz.
 Amo-te... ao fim do dia. Quando a confusão sossega e nós também.
Amo-te quando me perguntas como foi o dia. Amo-te quando me contas o teu.
Amo-te quando calados; ou em horas esquecidas de conversa.
Amo-te quando me adormeces e quando a última coisa que oiço é que sou tudo para ti.
 Amo-te quando estás.. e quando não estás.
 Amo-te. Tanto e sempre.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

#1507

 
 
A mente é a causa de todas as doenças
e o coração a fonte de toda cura.
Osho

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

#1506


Um beijo ensonado enrolado num abraço apertado.
Um beijo de fugida, no início da pressa do dia.
Um beijo molhado e um sorriso rasgado.
Um café adoçado por um riso desenvergonhado.
Um beijo desenfreado mesmo num dia nublado.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

#1505



Pausa para um beijo que apetece.
Um abraço que enlouquece.
Um arrepio que aquece.
Um sorriso que enternece.
Um amor que não se desvanece.
Uma paixão que acontece.