quinta-feira, 24 de Julho de 2014

#1297



Quando não há razões. Quando não há explicações. Quando nem se sabe exactamente o porquê. Quando não é lógico, nem acertado. Quando não é racional, nem pensado.

Quando é e pronto. Sem vastas explicações ou razões complicadas. Quando é intuído. Quando sem saber, sabe-se. Quando se quer. Quando se quer ainda mais um pouco. Quando o muito nunca chega. Quando do pouco se aproveita muito.

Quando.

- Rita Leston -

terça-feira, 22 de Julho de 2014

#1295



Amei-te este ano.
Amei-te no ano anterior.
Amar-te-ei no próximo.

Amei-te ontem, com a intensidade da eternidade.
Amo-te hoje, com a segurança de todos os dias.
Amar-te-ei amanhã, com a insegurança do tempo.

Amar não se escolhe. Não se decide. Não decidimos gostar e passamos a não querer amar. Não vamos ali ao lado desistir.

Amo-te na ausência e na presença. No riso e nas lágrimas. Dentro do teu abraço e até mesmo quando ele nos falta. Amo-te nos beijos dados e nos beijos ansiados. Amo-te na palavra e no silêncio. Na calmaria e na tempestade.

Amo-te hoje. Amanhã. E sempre. E ainda mais um dia

segunda-feira, 21 de Julho de 2014

#1294



Gosto de olhar para ti. Gosto de ver o brilho dos teus olhos. Gosto de ver a emoção que deles transborda quando falas daquilo que te interessa.
Gosto de te ouvir falar, seja apaixonadamente por aquilo que te motiva, seja indignado por aquilo que te irrita.
Gosto de sentir o odor do teu perfume quando de aproximas.
Gosto do teu toque, ainda que subtil.
Gosto das pequenas coisas que temos. Gosto dos momentos que partilhamos. Gosto sempre. E muito.